quinta-feira, 10 de maio de 2018

Antropologia e política no Brasil – do carisma ao crime



Antropologia e política no Brasil – do carisma ao crime
(esboço de curso sobre política, teoria, ética, etnografia, laudos periciais e  comissões parlamentares de inquérito)


Entre o mato e a metrópole. Palestra no PUB-Seattle, Universidade de Washington


sexta-feira, 30 de março de 2018

Guia bibliográfico e de fontes sobre comunidades quilombolas - Projeto LAPA recruta alunos interessados em bolsa Auxílio

  1. Título do Projeto: nuvem de tagsGuia bibliográfico e de fontes sobre comunidades quilombolas
  1. Descrição: 
Com base em um banco de dados bibliográfico e de notícias sobre comunidades quilombolas, que vem sendo alimentado sistematicamente entre 2013 e 2017, com o apoio de bolsistas SAE, este projeto tem por objetivo organizar e sistematizar os materiais recolhidos, para oferecer um guia bibliográfico e de fontes sobre o tema. Para isso será necessário compulsar as características da produção acumulada (publicações e notícias por ano, por região, por instituição, por temas etc.) e eleger aquelas características que melhor traduzem o perfil da produção acadêmica e noticiosa sobre o tema, para a partir daí produzir uma série de pequenos textos (resumos críticos) introdutórios às listas bibliográficas e de fontes. Estes textos deverão ser preparados sob a supervisão do prof. coordenador, assim como finalizados com a sua parceria. O destino deste material é o website Coletivo Quilombola, mantido pelo LAPA – Laboratório de Pesquisa e Extensão com Povos Tradicionais Afro-americanos, ligado ao CERES do IFCH-UNICAMP, de forma que o ‘Guia bibliográfico e de fontes sobre comunidades quilombolas’ seja acessado livremente por um grande volume de interessados pela rede mundial de computadores.
  1. Justificativa:
Esta proposta está ligada ao grupo de pesquisa “Territórios e populações tradicionais: políticas de reconhecimento, transformações classificatórias e demografia das populações indígenas e afroamericanas” registrado no Diretório do CNPq. O ‘Guia bibliográfico e de fontes sobre comunidades quilombolas’ será um importante instrumento na divulgação do tema entre os nossos próprios estudantes, na organização do material de pesquisa para nossos pesquisadores, para o apoio intelectual à luta social e política em defesa dos direitos quilombolas. Depois de uma série de mudanças no processo de regularização dos territórios tradicionais desses grupos, que desvincularam o trabalho do INCRA dos grupos de pesquisa universitários, a produção acadêmica sobre o tema sofreu um impacto negativo no volume e na dispersão desta produção. O LAPA vem buscando (ainda que sem apoios formais e sem uma equipe estruturada) criar ferramentas e redes de reflexão sobre esta produção e sobre as próprias comunidades quilombolas.
  1. Objetivo Geral: 
Oferecer ferramentas para estruturar o debate acadêmico interdisciplinar sobre comunidades quilombolas no Brasil, de forma a torna-lo comparável com os debates que vem ocorrendo em outros países da América Latina, viabilizando um diálogo com a produção recente de países como a Colômbia e o Equador.
  1. Objetivo Específico: 
Organizar e sistematizar os materiais recolhidos pelo LAPA – Laboratório de Pesquisa e Extensão com Povos Tradicionais Afro-americanos, ligado ao CERES do IFCH-UNICAMP, na forma de um guia bibliográfico e de fontes sobre as comunidades quilombolas do país. Para isso será necessário cumprir as seguintes etapas de trabalho:
  • compulsar as características da produção acumulada entre 2014 e 2017 na forma de um Banco de dados bibliográfico e de notícias;
  • eleger aquelas características que melhor traduzem o perfil da produção acadêmica e noticiosa sobre o tema de forma a organizar a leitura do grande volume de material;
  • produzir uma série de pequenos textos (resumos críticos) introdutórios às listas bibliográficas e de fontes;
  • Publicar este material no Blog do LAPA, de forma que o ‘Guia bibliográfico e de fontes sobre comunidades quilombolas’ seja acessado livremente por um grande volume de interessados pela rede mundial de computadores;
  • – Publicar artigo acadêmico em revista qualificada como o relato da experiência e seus resultados.
  1. Organizações parceiras: 
O projeto faz parte de uma rede de articulação de grupos de pesquisa em torno do tema, que atualmente incluem os departamentos de antropologia, direito e sociologia das seguintes universidades: UFSC, UFPR, PUC-PR, PUC-Serro (MG), UFPA, UFRB, UFBA, UFOPA, UFMT.
  1. Atividades do bolsista
Análise do acervo
compulsar as características (data, localização, tema, instituição etc.) da produção acumulada entre 2014 e 2017 na forma de um Banco de dados bibliográfico e de notícias.
Produção das seções do Guia
Eleger aquelas características que melhor traduzem o perfil da produção acadêmica e noticiosa sobre o tema de forma a organizar a leitura do grande volume de material para produzir pequenos textos introdutórios críticos seguidos dos repertórios bibliográficos e de notícias.
Publicação do Guia
Publicar este material no Blog do LAPA, de forma que o ‘Guia bibliográfico e de fontes sobre comunidades quilombolas’ seja acessado livremente por um grande volume de interessados pela rede mundial de computadores.
Publicação sobre o Guia
Publicar, em aparceria com o coordenador do projeto, artigo acadêmico em revista qualificada como o relato da experiência e seus resultados, de forma a estimular a colaboração na edição do Guia quadrienal seguinte.

Sobre a bolsa BAEF-UNICAMP
BAEF (Bolsa Auxilio Estudo Formação) é uma categoria de Bolsa Auxilio que visa vincular critérios socioeconômicos, acadêmicos, de formação profissional que contribuam na formação do aluno que esteja com 75% do seu curso concluído, e que possua perfil socioeconômico. A BAEF foi constituída com a missão de proporcionar a oportunidade de migrar para uma bolsa direcionada a seu objeto de estudo, aprimorando-se na área a que pretende se dedicar profissionalmente, acrescentando um conhecimento teórico-prático e ou de pesquisa. A bolsa subsidia atividades na área de formação de alunos regularmente matriculados na Universidade Estadual de Campinas – Unicamp, objetivando estimular a qualificação da formação teórico-prática e a aproximação ao mercado de trabalho dos alunos contemplados. As atividades contidas no projeto, deverão ser limitadas ao cumprimento da carga horária semanal de 20 horas de atividades. (Informações completas disponíveis em: https://goo.gl/czEw2e)

Guia bibliográfico sobre Índios na Cidade e Cidades Indígenas - Projeto CPEI recruta alunos interessados em bolsa auxílio

Projeto Bolsa SAE UNICAMP – Serviço de Apoio ao Estudante (2018)

Título do Projeto: Índios na Cidade e Cidades Indígenas
Data do Cadastro: 29/11/2017 21:39:32
Área do curso: Humanas
Orientador(a): Jose Mauricio Paiva Andion Arruti
 Número de bolsas : 01

 Resumo do Projeto: 
Este projeto tem por objetivo geral criar uma base informacional centrada no CPEI – Centro de Pesquisa em Etnologia Indígena do IFCH-UNICAMP, para a rede de pesquisadores que começa a se formar em torno do tema dos índios que vivem em cidades e das cidades com grande presença indígena. Os temas destacados neste Banco de Dados, associados ao nosso tema central são: migração e mobilidade entre aldeias e cidades, convivialidade étnica em contextos de desigualdade, formação de professores indígenas, xamanismo em contexto urbano, arte indígena em museus metropolitanos, universitários indígenas, entre outros. O último tema citado vem em apoio também à necessidade de referência e reflexões que apoiem a nova iniciativa da Unicamp de adotar o vestibular diferenciado indígena. Finalmente vale esclarecer que esta proposta decorre de um projeto de pesquisa individual (CNPq – Edital Universal, Processo: 483085/2012) e outro realizado em associação com o Projeto Observatório das Migrações em São Paulo (FAPESP – Edital Projeto Temático, Processo: 2009/06502­2), assim como se alimenta da rede que começou a ser estabelecida por meio de dois eventos internacionais recentes que organizamos sobre o tema (Panel `Pueblos indígenas en las metrópoles` do XXXV International Congress of the Latin American Studies Association, Lima; e Simposio Ciudades Indígenas E Indígenas En Las Ciudades. Reflexiones Sobre Movilidad Y Flujos Culturales En La Urbanización Indígena Simposio do V Congreso Latino Americano de Antropología, Bogotá). Trata-se, por isso, de uma proposta que busca criar as bases para a institucionalização de acúmulos que vem sendo realizado na pesquisa em Antropologia e Demografia sobre um tema de destaque crescente em todo o continente americano.

Ações e detalhamento das atividades a serem desenvolvidas pelo(s) bolsista(s): 
1) Levantamento bibliográfico da produção acadêmica, junto a bibliotecas físicas, virtuais e indexadores da produção acadêmicos de cobertura nacional e latino-americana;
2) Preenchimento de um Banco de dados bibliográfico com as informações catalográficas e resumos da bibliografia compulsada;
3) Identificação dos autores desses trabalhos, seus grupos de pesquisa e instituições;
4) Preenchimento de um Banco de dados sobre pesquisadores e instituições articulado ao banco de dados bibliográfico;
5) Consulta periódica aos técnicos da Biblioteca do IFCH (em comum acordo com estes) para definir e monitorar o processo de identificação e catalogação da bibliografia e da nominata;
6) Elaboração e alimentação de uma sub-página do site do CPEI dedicada a este material.

Objetivos: 
Este projeto tem por objetivo geral criar uma base informacional centrada no CPEI – Centro de Pesquisa em Etnologia Indígena do IFCH-UNICAMP, para a rede de pesquisadores que começa a se formar em torno do tema dos índios que vivem em cidades e das cidades com grande presença indígena. Este objetivo geral se desdobra em dois objetivos derivados: (a) a organização de um banco de dados bio-bibliográfico com toda a produção acadêmica disponível sobre o tema e com com a identificação dos autores, grupos de pesquisa e instituições com projetos ligados ao tema, no Brasil e na América Latina; e (b) a disponibilização deste material no site do CPEI, de forma a convertê-lo em espaço de referencia no assunto.

Justificativa quanto à relevância para o(a) estudante e para a universidade ou comunidade externa: 
A participação em uma atividade como esta é de alta relevância para um estudante de graduação que busca aprender os procedimentos de uma pesquisa científica. A pesquisa bibliográfica sistemática, assim como a devida contextualização (nacional, histórica, científica e política) da produção sobre determinado tema emergente ou consolidado é um elemento fundamental da formação de um pesquisador.
Com relação à universiade, este projeto vem em apoio aos trabalhos da Linha de Pesquisa `Territórios indígenas: territorialidades, territorializações, sobreposições e urbanidades` do CPEI - Centro de Pesquisa em Etnologia Indígena do IFCH-UNICAMP, que foi reestruturado em 2010 e este ano (2017) conquistou importantes avanços no seu processo de institucionalização.
Do ponto de vista da comunidade externa à UNICAMP este projeto têm igualmente alta relevância, na medida em que o tema dos índios que vivem em cidades ainda é muito pouco discutido e visibilizado, apesar de esta presença ser crescente tanto demográfica quanto politicamente falando. Uma pequena mostra disso é a criação de grupos e redes de apoio à presença dos índios nas cidades de Campinas e de São Paulo, a criação não só de cotas nas universidades, mas também de aparatos de assistência de saúde diferenciada em UBS’s e na Faculdade de Medicina de São Paulo (UNESP). Dispor de um instrumento de livre e fácil acesso que organize parte do conhecimento produzido no Brasil e nos demais países da América Latina sobre o tema é de alta relevância para tanto para os grupos da sociedade organizados em torno do tema, quanto para a própria administração pública.

Resultados esperados: 
O projeto tem por resultado esperado:
1) Um instrumento de pesquisa sistemática, de livre e fácil acesso, que organize parte do conhecimento produzido no Brasil e nos demais países da América Latina sobre o tema dos índios em cidades e cidades indígenas, que apoie pesquisas acadêmcias, tanto quanto grupos organizados da sociedade e a própria administração pública envolvidos com a temática.
2) O posicionamento do CPEI do IFCH-UNICAMP como um espaço de referência nacional e internacional sobre o tema.

Cronograma de execução: 
Primeiro quadrimestre:
- Identificação, catalogação e indexação da produção bibliográfica;
Segundo quadrimestre:
- Identificação, catalogação e indexação dos pesquisadores e instituições;
Terceiro quadrimestre:
- Ajustes e transferência dos dados bibliográficos e da nominata para a base de dados do CPEI.

terça-feira, 23 de janeiro de 2018

Projeto OS BRASIS E SUAS MEMÓRIAS


o projeto

O projeto “OS BRASIS E SUAS MEMÓRIAS: OS INDÍGENAS NA FORMAÇÃO NACIONAL” propõe-se a realizar pesquisa e produzir dados e interpretações novas sobre um aspecto muito pouco estudado e conhecido na história de nosso país – a continuada e persistente presença da população autóctone não só no período colonial e no século XIX, mas no brasil republicano e atual.


biografias

Com a iniciativa de reunir essas histórias gostaríamos de contribuir para recontar a história do brasil, para implodir os lugares comuns e estereótipos que nela são atribuídos às populações indígenas, produzindo em seu lugar novas fontes de pesquisa histórica.

É com esse intuito que estimulamos TODAS E TODOS PARA QUE CONTRIBUAM COM A CONSTRUÇÃO DE UMA OUTRA MEMÓRIA, conectada com os projetos políticos indígenas contemporâneos. Escolhemos para isso abordar a construção desses projetos e sua realização por meio das biografias indígenas. Ao escrever histórias de uma vida, difundimos histórias de outras vidas às quais aquela está entrelaçada: contamos a história de um povo, de um lugar. A partir da biografia, é possível explicitar, além de eventos e seus encadeamentos, os aspectos que melhor transmitem os propósitos, as estratégias coletivas contra arbitrariedades e violências, e as prioridades culturais e sociais de cada coletividade indígena. Que transmitem o que é fundamentalmente importante para viver, para todas elas!

coordenação

João Pacheco de Oliveira

| PPGAS/MUSEU NACIONAL/UFRJ


equipe

Aline Magalhães | Rita de Cássia Melo Santos | Pablo Antunha Barbosa | Bartolomeu Santos | Daniela Alarcon

colaboradores regionais

UFAM/PPGAS | Maria Helena Ortolan Matos

UFPA/PPGA | Katiane Silva

UEMA/PPGCSPA | Marivânia Furtado

UFC/PPGCS | Isabelle Braz Peixoto da Silva

UFRN/PPGAS | Carlos Guilherme Octaviano do Valle

UFRN/PROFHISTORIA | Ligio José de Oliveira Maia

UFPB/PPGA | Kelly Oliveira

UFCG/PPGCS | Mércia Rangel Batista

UFCG/PPGH | Edson Hely Silva

UPE/LAC | Vânia Fialho

UFPE/PPGAS | Edwin Reesink

UFAL/PPGAS | Claudia Mura

UFSB/PPGES | May Waddington

UFMT/PROIND | Carmen Lúcia da Silva

UFMT/PPGAS | Sônia Regina Lourenço

UFG/PPGAS/PPGS | Manuel Ferreira Lima Filho

SECADI/MEC | Rita Gomes do Nascimento

UNB/PPGAS | Henyo Trindade Barreto Filho

UFGD/FAIND | Neimar Machado de Souza

UFF/PPGH | Maria Regina Celestino de Almeida

UFRRJ/PPGH | Vânia Maria Losada Moreira

UFRRJ/CPDA | Andrey Cordeiro

UNICAMP/PPGAS | José Maurício Arruti

UFPR/PPGA | Ricardo Cid Fernandes

UFSC/PPGAS | Edviges Marta Ioris

UFRGS/PPGAS | Denise Jardim


como participar ?

Você deverá elaborar um ENSAIO BIOGRÁFICO SOBRE UM PERSONAGEM INDÍGENA que contenha informações relevantes sobre a trajetória do/a biografado/a, entre as quais (quando houver e for pertinente): nascimento, filiação, escolarização, trabalho, situação fundiária da família, deslocamentos territoriais, atuação política/religiosa e episódios de destaque.

Por meio dos ensaios biográficos espera-se abordar a vida de cada indivíduo e os elementos da história de cada povo indígena.

Os ensaios devem ser enviados em arquivos.doc ou congêneres. Espera-se que tenham entre 5 e 30 páginas, times new roman, 12, espaçamento 1,5. Devem conter TÍTULO, AUTORIA, FILIAÇÃO ACADÊMICA e CONTATO dos autores. As contribuições devem ser remetidas para o email: osbrasisesuasmemorias@gmail.com.

Os textos serão analisados pelo comitê editorial do projeto que entrará em contato com os autores, eventualmente sugerindo modificações para a publicação.

sábado, 16 de dezembro de 2017

Grupo de Estudo 'Os Pankararu na metrópole: Antropologia e Saúde'



Este grupo de estudos foi criado em dezembro de 2017 por uma parceria entre a equipe médica da UBS - Unidade Básica de Saúde Real Parque, coordenada pelo dr. Marco Antônio Silva dos Santos e pesquisadores do  CPEI da UNICAMP (Linha de Pesquisa 'Territórios indígenas: territorialidades, territorializações, sobreposições e urbanidades').

O objetivo é permitir que os pankararu, a equipe médica da UBS e os pesquisadores da UNICAMP compartilhem experiências e discutam trabalhos de pesquisa já finalizados ou em curso.

O grupo teve início em dezembro de 2017 e se reunirá mensalmente, na UBS do Real Parque ou na sede da Associação SOS Pankararu (Real parque, Bairro do Morumbi, São Paulo)


Sobre o contexto de pesquisa desta atividade, clique aqui.

Para uma breve introdução aos Pankararu e sua bibliografia, clique aqui.








Agenda do 1o. semestre de 2018:


  • Fevereiro, 22 - Discussão do TCC de Amanda Mayumi Matsuyama, "Reflexões sobre temporalidade, sintonização e intermedicalidade na saúde da comunidade Pankararu no Real Parque" (Psicologia, USP, 2018), com a autora.
  • Março, 22 - Discussão da Dissertação de mestrado de Juliana Gonçalves Fidelis, "Integralidade e indígenas urbanos: análise dos relatos de profissionais e usuários de uma unidade básica de saúde no município de São Paulo" (Estudos Culturais, Unifesp, 2014), com a autora.
  • Abril, 26 - Discussão da Dissertação de mestrado de Rafael Lopes, "Cura Encantada: Medicina Tradicional e Biomedicina entre os Pankararu do Real Parque em São Paulo" (Enfermagem, USP, 2011), com o autor.
  • Junho, 29 - Discussão dos pontos acumulados nas leituras anteriores e planejamento do segundo semestre.

Agenda do 2o. semestre de 2018:

(13 - 15hs)
  • Agosto, 10 - Discussão da Dissertação de mestrado de Arianne Rayis Lovo, “ 'Lá, sendo o lugar deles, é também o meu lugar': pessoa, memória e mobilidade entre os Pankararu" (Antropologia, UNICAMP, 2017).

  • Setembro, 14 - Discussão da Dissertação de mestrado de Karine Assumpção, "NEGOCIANDO CURAS: um estudo das relações entre indígenas e profissionais do Projeto Xingu" (Antropologia, UNIFESP, 2014).

  • Outubro, 05Discussão do Relatório de IC-PIBIC de Gabriela Cassimiro, Histórias de Vida e Cura: Migração e práticas xamânicas entre os Kariri-Xocó e os Pankararu" (História, UNICAMP, 2018).


  • Novembro, 09 - Oficina sobre os primeiros resultados do "Censo Demográfico Colaborativo dos Pankararu residentes em São Paulo - Etapa Real Parque. Observatório das Migrações em São Paulo (FAPESP/CNPq/NEPO/Unicamp)", 2016-8.


  • Dezembro, 07Discussão dos pontos acumulados nas leituras anteriores.

quinta-feira, 23 de novembro de 2017

25 anos de "História dos Índios no Brasil”



11 de dezembro         

9h – ABERTURA DO EVENTO

09h15 – MESA 1 – Arqueologia
Mediador: Eduardo Natalino dos Santos 
The Worlds of the Indigenous: Past, Present and Future – Anna C. Roosevelt (University of Illinois at Chicago)
O passado não é mais como era antigamente: a história antiga do Brasil 25 anos depois de História dos índios no Brasil – Eduardo Neves (Universidade de São Paulo) 
A história de longa duração do Alto Xingu e a arqueologia do futuro – Michael Heckenberger (University of Florida)
Arqueologia e História dos Povos indígena no Brasil: um estudo sobre a mobilidade territorial dos Asurini do Xingu – Fabíola Andréa Silva (Universidade de São Paulo)
Sociedades complexas na Amazônia pré-colonial: novas abordagens – Denise Maria Cavalcante Gomes (Universidade Federal do Rio de Janeiro)                     

12h às 13h30 – ALMOÇO

13h30 – MESA 2 – Acervos, museus e coleções
Mediadora: Sylvia Caiuby                
Fontes da História indígena: coleções etnográficas – Lucia Hussak van Velthem (Museu Paraense Emílio Goeldi)
Coleções etnográficas: fontes documentais para a história das artes indígenas das Terras Baixas da América do Sul – Aristóteles Barcelos Neto (University of East Anglia)
Índios em Portugal: perspectivas a partir de exposições museológicas – Beatriz Gomes Rodrigues (Universidade de Lisboa)
Imagens Bororo: reencontro, sobrevivência e memória – Edgar Teodoro da Cunha (Universidade Estadual Paulista)
Arquivos do futuro: questões para a guarda de documentação recente relativa a povos indígenas – Luísa Valentini (Universidade de São Paulo)
A história dos índios fora do Brasil – Neil Safier (John Carter Brown Library)                                  

16h às 16h30 – INTERVALO

16h30 – MESA 3 – Memória e territorialidade
Mediador: Eduardo Góes Neves                  
Pajés e Pearas: a construção dos coletivos Mura na Amazônia – Marta Amoroso (Universidade de São Paulo)
História indígena no rio Uaupés: genealogias e transformações de seus povos e paisagens – Geraldo Andrello (Universidade Federal de São Carlos), Manuel Arroyo-Kalin (University College London) e Arlindo Maia Ye’pa Masa (Tukano)
Perspectivas indígenas sobre o contato e o isolamento no médio Purus (Amazonas) – Karen Shiratori (Universidade Federal do Rio de Janeiro)
Os povos Kagwahiva do sul do Amazonas: de multiplicidades a múltiplas unidades – Edmundo Antonio Peggion (Universidade Estadual Paulista/ Universidade Federal de São Carlos)   

12 de dezembro

8h30 – MESA 4 – Agência e perspectivas dos índios
Mediador: Renato Sztutman         
Reforma e revolução: repensando as maneiras indígenas de mudar o próprio mundo – Carlos Fausto (Universidade Federal do Rio de Janeiro)
Protagonismo indígena e revisões historiográficas: algumas reflexões – Maria Regina Celestino de Almeida (Universidade Federal Fluminense)
Como povoar a história de índios: reflexões a partir da leitura da autobiografia de Álvaro Tukano – Mariana da Costa A. Petroni (Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira)
O fim das guerras: a perspectiva xikrin sobre a pacificação e o contato – Clarice Cohn (Universidade Federal de São Carlos)
Sobre políticas indigenistas e políticas indígenas: propostas analíticas – Fernanda Sposito (Universidade Federal de São Paulo)     

10h30 – MESA 5 – Trabalho dos índios 
Mediador: Fabíola Andrea Silva  
Escravidão e outras modalidades do trabalho indígena em São Paulo colonial: considerações e revisão historiográfica – Gustavo Velloso (Universidade de São Paulo)
O trabalho indígena no Brasil durante a primeira metade do século XIX: novas perspectivas de pesquisa – André Roberto de A. Machado (Universidade Federal de São Paulo)
A persistência do aviamento: colonialismo e história indígena no Noroeste Amazônico – Márcio Meira (Museu Paraense Emilio Goeldi)
Trabalho e agência indígena na história colonial: um balanço historiográfico – Camila Loureiro Dias (Universidade Estadual de Campinas)                        

12h às 13h30 – ALMOÇO

13h30 – MESA 6 – Saberes indígenas
Mediador: Pedro Cesarino             
Línguas retomadas – Bruna Franchetto (Universidade Federal do Rio de Janeiro)
Cultura e memória: a comunicação indígena contemporânea em perspectiva – Eliete Pereira (Universidade de São Paulo)
O protagonismo indígena no contexto dos saberes tradicionais e acadêmicos: a construção da história indígena em Roraima – Laiana Pereira dos Santos (Universidade Federal de Roraima)
Os donos das narrativas: narradores e produtores indígenas de livros no alto Rio Negro – Samir R. F. de Angelo (Universidade de São Paulo)
As cartas potiguaras revisitadas – Ruth Monserrat (Universidade Federal do Rio de Janeiro), Bartira Barbosa (Universidade Federal de Pernambuco) e Cândida Barros (Museu Paraense Emilio Goeldi).

16h-16h30 – INTERVALO

16h30 – MESA 7 – Ensino de história indígena
Mediadora: Camila Loureiro Dias
História indígena na escola regular – Antonia Terra de Calazans Fernandes (Universidade de São Paulo)
O ensino de história indígena nas escolas não indígenas antes e após a lei n.11.645/2008– Circe Fernandes Bittencourt (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo)
Falar bem dos astecas, maias e incas é falar mal dos outros índios? – Eduardo Natalino dos Santos (Universidade de São Paulo)       

13 de dezembro         

09h – MESA 8 – História, memória e identidade   
Mediador: José Maurício Arruti    
Memória, identidade e língua geral da Amazônia (Nheengatú) – Sâmela Ramos da Silva (Universidade Federal do Amapá)
Notas sobre uma teoria kaiowá acerca das transformações dos brancos e suas relações – Diógenes Cariaga (Universidade Federal de Santa Catarina)
Tecendo a memória ancestral na perspectiva indígena – Márcia Mura (Universidade de São Paulo) História indígena no Baixo Tapajós e Arapiuns revisitada – Leandro Mahalem de Lima (Universidade de São Paulo)
Dos modos de construção da história e do evento entre os Paiter Suruí – Nicodème de Renesse (Universidade de São Paulo)
A história antropológica do oeste do Pará: terras e rios entre índios, indígenas e ribeirinhos – Mark Harris (University of St Andrews)                 

12h – 13h30 – ALMOÇO

13h30 – MESA 9 – Novas fontes
Mediadora: Beatriz Perrone-Moisés           
Quando falam os índios: novas fontes para o estudo dos povos indígenas no Brasil – Patrícia Sampaio (Universidade Federal do Amazonas) 
Acervos e memória xetá: “como a gente vivia” – Edilene Coffaci e Rafael Pacheco (Universidade Federal do Paraná)
A imbricação entre etnologia e história no estudo das fontes: o caso exemplar do Relatório Figueiredo – Izabel Missagia de Mattos (Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro)                 

15h-15h30 – INTERVALO

15h30 – MESA 10 – Relações com o Estado
Mediador: Stelio Marras 
Povos indígenas e poder judiciário: uma reflexão a partir do caso da Terra Indígena Maró – Ib Sales Tapajós (Universidade Federal do Oeste do Pará)
História e direitos territoriais indígenas em Roraima: um balanço – Nádia Farage (Universidade Estadual de Campinas) e Paulo Santilli (Universidade Estadual Paulista)
Do “Brasil: outros 500” aos tempos sombrios do Brasil: terra, justiça e reconhecimento histórico dos índios e povos indígenas – Vânia Maria Losada Moreira (Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro)
O Estado Militar e as populações indígenas – Rochelle Foltram (Universidade Federal dos Vale do Jequitinhonha e Mucuri)                 

17h – MESA DE ENCERRAMENTO 
Mediadora: Marta Amoroso
Manuela Carneiro da Cunha (USP/Un. Chicago), 
Ailton Krenak (Núcleo de Cultura Indígena)
Joziléia Kaingang (Universidade Federal de Santa Catarina)